terça-feira, 30 de novembro de 2010

Arte de Viajar

*
Gosto de viajar
Minto
Adoro
Gosto de viajar
Em todos os sentidos
Literalmente
De malas em punho
Literariamente
Percorrendo caminhos imaginários
E até inimagináveis
É um estilo rústico
É um colonial
Um clássico
Um moderno...
Cada qual tem sua graça
Seu glamour
Uma abertura de caminhos
De horizontes
Cabeça arejada
Despojamento saudável
Gosto do diferente
Culturas e costumes
Atraem-me sobremaneira
Até mesmo as construções diferentes
Retratando o clima local
O modo de pensar de um povo
Algo interessantíssimo
E seja viajando literalmente
Ou literariamente
Lendo um livro
Escrevendo por aqui
Minha mente divaga
Recria
Produz
Expande-se
Numa rotina saudável
A brisa sopra contínua
Em viagens
Saboreamos ventos diferentes
Encantados com a vida
Encantamos a tudo
E a todos que nos cercam
Buscamos
Nesse encantamento
Qualificar a natureza de nossos sentimentos
Ficamos cheios de assuntos
Ampliamos horizontes
Aumentamos nossa energia
Comunicamo-nos mais
Aprendemos coisas novas
Há diversas formas de viajar
E todas úteis e prazerosas
Viajar é existir
É descobrir
Uma arte
*
04/05/2010

Amor Próprio

*
Amor próprio
É cuidar do corpo
E também da mente
Os dois juntos
Em conjunto
Fazem a alma transcendente
Se cuidar apenas do corpo
E suas roupas
E seus contornos
Desdenhando a influência da mente
Tornar-se-á da vida um descrente
E então o amor próprio faltará
Pois se tornará inimigo de si mesmo
Ter amor-próprio
É se cuidar no todo
É procurar uma bela roupa
Adornar seu belo corpo
Reflexo de sua bela mente
Cuidar da postura
Postura da alma
Postura do corpo
Quando a mente se curva
O corpo acompanha
Hora de atentar-se
Dica boa
Se a postura física estiver ruim
Aprume-se
É um sinal
Amor-próprio fraquejado
Lute por si mesmo
Ame-se demasiado
Faça as pazes consigo mesmo
Faça-se feliz
Vista uma bela roupa
Pense coisas boas
Adorne o corpo
Enfeite a alma
E então
A ‘mágica’ se dá
Seja, para si, boa companhia
Se não aceitar-se a si mesmo
Não aceitará aos outros
Entenda-se no direito de ser feliz
Direito não, obrigação
Ou um direito-dever
Compre você mesmo seu ingresso
De acesso
À felicidade
Aceite sua identidade singular
Respeite-se
Cuide-se
Atente-se a si mesmo
Se cuidar de si
Gostar de si mesmo
Dando-se valor
Não odiará nada nem ninguém
O que importará será o bem
Que se faz a si mesmo
E esse bem
Refletir-se-á além
*
13/08/2010

Escrita na Agitação

*
A agitação me faz escrever
Mas hoje a agitação me deixou cansada
E me sinto chata
Desalentada
E até rio de mim mesma
Pela falta de gentileza
Comigo mesma
A agitação hoje provocada
Pelo excesso de atividade desordenada
Me deixou cansada
E não consegui nem mesmo ficar arrumada
Vesti-me de cinza
Sem cor
Nem frescor
Mas não vou ficar ranzinza
Acho isso chato
Mais chato do que reagir
Confio no porvir
*
31/08/2010

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Sonhos

*
Sonhos bons
Sonhos ruins
Sonhos de vida...
Só quero caminhar
Não quero sonhar
Sonhos
Muitas vezes não ajudam
Antes que se trabalhe
Antes que se levante
Mas estamos com sono!
E sonhamos mal
Imagens nítidas
Assuntos desconexos
Parte da vida
Podemos controlar minimamente
Nada definitivamente
Não gostamos de sonhar
Preferimos descansar
Viver é bom
E sonhar também
Mas com o sonhar
Pode-se não se dar bem
Melhor de tudo é despertar
*
30/05/2010

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Avesso

*
Um avesso
Um oposto
Uma controvérsia
E muitas vezes
Tudo isso
Tudo junto
Faz parte da vida
Uma tensão domina
Uma intolerância
Atitudes
Decisões escolhidas
Podem ser verso
Mas também anverso
Em que se mostra
O elemento principal
Mas não o reverso
Que revela o avesso
Fidelidade à essência
Mudanças podem irritar
Mas também podem facilitar
Basta observar
Revirar a vida
Tomá-la pelo avesso
Em desequilíbrio
Tomar-se em falso
Um salto
Ou um buraco
E tudo gira
E vê-se o avesso
O lado contrário
O oposto
Do que se acreditava
É um cai, levanta
Uma desordem impiedosa
Uns seguem sem pernas
Outros até sem coração
Cada qual segue como pode
Ou até mesmo conforme consegue
Paixão pela vida é justificativa
Desejo de que tudo dê certo
Força para virar pelo avesso
Aumentando-se possibilidades de sucesso
Porque vida é vontade
É força
Mas também é magia
Seria o lado que se entende como certo
Ou o seu avesso
O verdadeiro ser?
Seria o anverso
Ou o reverso
O cunho legítimo?
Onde estaria nossa essência?
*
20/05/2010

sábado, 20 de novembro de 2010

Dinamizar a Vida

*
Dinamizar a vida
Complicado
Render a vida
Presumida
Um abalo
Um feriado
Recolhimento
Meditação
Discernimento
Possibilidades remotas
Ignotas
Pequenos intervalos de tempo
Medir os momentos
Encontrar motivação
Para a produtividade
Numa amizade
Algo que invade
Não há lugar
Para feitos extraordinários
Nem arroubos de empreendimentos
Tempo curto
Tempo de sermos práticos
Uma linguagem rica
Mas concisa
Em tudo que se faça
Dinamizar a vida
Nessa conjuntura
Uma aventura
Uma desventura
Possível empreender
Posto que seja lento
Fácil de entender
Dinamizar a vida
Necessário desenvolver
Criar
Permitir-se experimentar
Diferentes formas de expressão
Manifestação
Com agilidade
Qual um desenho
Uma arte
Mais que funcional
Quase profissional
Dinamizar a vida
Sentir-se plena
Atuante
Da vida amante
Mesmo que não haja tempo
De escolher a melhor roupa
De realizar o melhor negócio
De exercer sua melhor promessa
Respirar profundamente
Agir rapidamente
Cheia de vida
Mover-se livremente
Da forma que conseguir
Elaborar os fatos
Fazer-se tratos
Dinamizar a vida
Sentir com intensidade
Mesmo ciente
De que poderia mais
Mas sem se culpar
Pela impossibilidade
Pela limitação da progressão
*
31/05/2010

Distância

*
Pensamentos distantes
Distância necessária
Por hora
Em muitas horas
Fujo
Fujo de tudo
Fujo de todos
Até de mim
Mesmo até da vida
Melhor assim?!
Talvez
Quem sabe
Talvez um dia eu me perdoe
Um dia eu me entenda
Um dia me desentenda
E vejo uma flor
E outras flores
Que também ameaçam desabrochar
Para o meu desatino
Rio de mim mesma
Rio que desemboca no nada
Vazio
Que é tudo o que restou
Você
A flor
A vida
Estampada no corpo
Nos meus vasos
Em minhas veias
Assim deve ser
Só assim sobrevivo
Nesse tormento
Nesse torpor
Nessa distância
Nessa vida
*
28/07/2010

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Amores Contraditórios

*
Gostar o muito do meu trabalho
Mas tem hora que o que quero é descanso
Gosto muito da liberdade
Mas tem hora que quero é me prender
Gosto muito de roupas confortáveis
Mas tem hora que gosto de roupas justas
Gosto muito de salto alto
Mas ultimamente só uso salto baixo
Gosto muito de colorido
Mas tem hora que quero o neutro
Gosto muito do sofisticado
Mas tem hora que quero o básico
Gosto muito de tudo certo
Mas tem hora que quero é errar
Gosto muito de frio
Mas tem hora que quero calor
Gosto muito do abstrato
Mas tem hora que quero o que houver de mais concreto
Gosto muito do diferente
Mas tem hora que quero o comum
Gosto muito de me identificar com as coisas
Mas tem hora que quero parecer invisível
Gosto muito de definir com clareza o que sinto e o que quero
Mas tem hora que não quero nem sentir nem querer nada
Gosto muito da rotina
Mas tem hora que a rotina me cansa demasiadamente
Gosto muito de ter alguém que me sirva de mestre
Mas tem hora que quero é ensinar tudo o que sei
Gosto muito de viver intensamente
Mas tem hora que quero é meditar
Gosto muito das coisas como estão
Mas tem muita hora que quero mudar tudo
Gosto muito de tudo no lugar
Mas tem hora que quero virar tudo de cabeça pra baixo
Gosto muito de arrumar
Mas tem hora que quero é revirar, desarrumar
Gosto muito de amor
Mas tem hora que quero o amor de trás pra frente, e vou pra Roma
Gosto muito de coisa trabalhada
Mas tem hora que quero coisa ganhada
Gosto muito do trabalho
Mas tem hora que quero dado
E sei que o contrário do contrário é o certo
E que quem nega duas vezes está afirmando
Esses os muitos dos meus amores contraditórios
*
18/05/2010

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Acordei

*
Me reanimei
Acordei
Num ânimo
Pra fazer a vida render
Sem me tolher
Acordei
As circunstâncias ajudaram
Favoreceram
Independentemente das escolhas
Pela ordem natural das coisas
Que me propiciaram o ímpeto
De reagir
E me suprir
Em minha própria vida
Mesmo desmedida
Tomar iniciativa
Até bem criativa
Para prosseguir
Para conseguir
Fazer valer meus atos
E organizar os fatos
Acordei
Acordei disposta
A refinar a arte
De viver a vida
Sem que me descarte
Acordei
Acordar é uma arte
Que se trabalha
E que se espalha
Exaustivamente
A cada dia
A arte de se despertar
A si mesmo acordar
E não me deixei
Acordei
*
21/07/2010

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Brisa ou Programação

*
Do que precisamos?
O que queremos?
Pensamos...
Deixamos a brisa nos levar
Ou buscamos intensa programação?
Deixar a brisa nos levar
Um feito
Uma entrega
Uma trégua
Um descanso...
Aproveitar o descanso
Ou aproveitar o lazer?
Qual modalidade nos descansa mais?
Qual modalidade nos atende melhor?
Repouso corporal
Ou repouso mental?
O modo como aproveitamos o lazer
Fundamental para o descanso mental
Prioridades...
A maioria das pessoas
Nas cidades
Cansam mais as mentes
Com seus trabalhos intelectuais
O ideal
Uma programação em brisa
Um bom aproveitamento do lazer...
Olhar em volta
Sentir
Ouvir
Interagir
Perceber o que se passa
Olhar para os lados
Olhar para os outros
Olhar para si
Evoluir
Encontrar a paz
Na brisa
Ou na programação
Bom na meditação
E assim teremos mais consciência
E assim elevaremos nossos pensamentos
Somos assim
Em transparência
Na brisa
Ou na programação
Suaves como a brisa
Fortes como a ventania
Depende de quando se vê
Depende de como se vê
*
16/05/2010

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Até Mais Tarde

*
Festejando a vida até mais tarde
Dormindo até mais tarde
Escrevendo mais tarde
A gente fica lenta
Mas a gente tenta
Modificar
Mas acordar tarde
Para quem não tem costume
É coisa esquisita
Parece que limita
O dia fica menor
A gente não se atenta
A nenhum pormenor
Mas hoje é domingo
Primeiro dia da semana
Dia consagrado ao descanso
Tudo fica manso
Devagar
E tudo nos diz:
Até mais tarde!
Nada é para agora
Sensação estranha
Para o tempo, uma barganha
Não gosto
Quero acordar
Ativar
Reanimar
Com tudo lento
Um desalento
Com essa sensação
De ‘até mais tarde’
Parece que a gente é covarde
Que a tudo retarde
Mas hoje amanheci assim
Vou tentar acordar
O que para uns pode ser bom
Para outros é maldade
O que para uns é chuva fina
Para outros, tempestade
Prefiro estar triunfante
Radiante
Esse sono preguiçoso
É comigo dissonante
Voltarei fulgurante
Até mais tarde
*
04/07/2010

Arrastão

*
A vida
Um arrastão
Levando tudo
Tudo o que vê pela frente
Sem querer saber de nada
Sem querer saber da gente
De nada do que a gente sente
Sem se importar
Se a gente está dando conta
Ou se a gente é dissidente
Dessa coisa louca
Incoerente
Que de forma insistente
Nos faz ir pra frente
Quando o corpo se arrasta
A gente se esforça
A mente mais que o corpo é poderosa
Mas quando a mente é que se arrasta
Problema maior se instala
Porque o corpo é fraco
E não subjuga a mente
Quando a mente não comanda
A vida segue em arrastão
Esforço violento
Vira um tormento
E nos faz mal esse arrastão
É ruim a lamentação
Nesse turbilhão
A gente não vê razão
Para idéias de redenção
Mas de soslaio
E em teimosia
Há a dose de esperança
De viver em alegria
O futuro será melhor que o presente
Um dia a gente vai dar conta da gente
O arrastão é motivo de reflexão
Embora nos deixe em lentidão
Desvendando o arrastão
Uma consolação
Resume-se a intenção
Do descobrimento
Do mistério
Desse arrastão
Nessa vastidão
Que envolve a multidão
A linguagem
A religião
O arrastão e seus enigmas
Mas terá os seus motivos
E esse turbilhão
Haverá de ter explicação
*
23/07/2010

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Afeição Recíproca

*
Todo dia
É dia do amigo
Um lugar
Um aconchego
Onde se encontra abrigo
Aquele com o qual se tem
Independentemente se convém
Afeição recíproca
Amigo é companheiro
Aquele que acompanha
Que se gosta de verdade
Amigo é um artista
Que exerce o ofício da afeição
Com gosto
Que refina sua arte
Arte de afeto
Que se tem por perto
Amigo é o que está com a gente
Quando se precisa efetivamente
E, quando não, apenas por afeição
Por motivo fútil
Ou quando há requinte
Amigo é ouvinte
E também contribuinte
Afeição recíproca
Convívio
Com satisfação íntima
Um contato
Um convívio
Um olhar
E se entende
E interage
Afeição recíproca
É doçura
É sentimento mágico
Inexplicável
Quase insuportável
De tão bom
*
20/07/2010

Acúmulos

*
Acumulamos muitas coisas na vida
Acumulamos honrarias
Vitórias
Roupas
Forças
Fraquezas
Acúmulos necessitam arrumação
E há de haver tempo
Acumulamos coisas feitas
Acumulamos coisas por fazer
Acumulamos belezas
Mas também tristezas
A bagagem de cada um
Quando sem tempo para nós mesmos
O acúmulo
A bagagem torna-se exagerada
Dar andamento à vida
Muita coisa a organizar
Acumulamos informações de tarefas
E de afazeres
Que não nos saem da mente
Acumulamos flashes de fotos
Que nos fazem recordar
Momentos vividos
Tempos idos
Que não sejam em vão os acúmulos
Nem mesmo um catastrófico desperdício
Que sejamos imunes às negatividades
Pois o negativo se impõe
Por ser o positivo suave
Que a vida não seja apenas
Um acúmulo de coisas acidentais
Ou de casualidades
Façamos a nossa parte
*
04/09/2010

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Nervos Exaltados

*
Nervos exaltados
Dormir pouco
Ou dormir mal
Nervos normalmente não irritáveis
Tornam-se, por vezes, irritados
Mesmo que se seja paciente
Quando com nervos exaltados
Tornam-se sarcásticos
Tornam-se irritados
Revestem-se de ironia mordaz
Quando nervosos
Não são piedosos
Mesmo não sendo ruidosos
Mesmo sem provocação
Como algo cravado no centro da espinha
Sem distúrbio hormonal
Trata-se de ser racional
Mas com respeito
Um preceito
E para melhorar
Pensar
Vislumbrar
Uma oportunidade
Para saber
E entender
Como é que nasce a arte do prazer?
Sentir prazer é uma arte
Uma arte a ser desenvolvida
Se lhe fora tolhida
Curar o nervosismo com prazer
Melhorar-se é compromisso
Entrar em contato com sentimentos
Melhora
Retempera
Fortifica
Revigora
Encontrar a linguagem certa
Cruzar sentimentos
Dar vazão ao nervosismo é a morte
Sentimento ruim
De cessação definitiva de vida
Nada merece tanto
O que fazer?
Querer, escolher, fazer festa pra vida
Pois a morte nada melhora
*
06/07/2010

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Absolutório

*
Absolutório
Adjetivo que encanta
Que liberta
Que absolve
Que se dispõe em soltura
E tão saudável é
Quando absolvemos os outros
Quando absolvemos a nós mesmos
De amarras a que nos propomos
O absolutório
Não é obrigatório
Até que se descubra que se pode soltar
Muitas vezes nós mesmos nos prendemos
Ao que não gostamos
Ao que a princípio não nos faz bem
Por comodismo
Não acomodar-se
Absolver-se
Livrar-se
Do que não faz bem
Ou do que não mais seja útil
Exercitar o desapego
Fazer a energia fluir
Um guarda-roupas com peças que não se usa
Uma mente com pensamentos inúteis
São deveras prejudiciais
Energia estagnada
Água parada
É sempre negativo
Criatório de coisas ruins
Permitir-se o absolutório
Eximir-se de culpa
E tornar-se sadio
Cuidar-se
Lutar por si
Libertar-se de amarras
Controlar a própria situação
Almejar um resultado
Absolutório
*
02/08/2010